PAGANISMO DISFARÇADO DE IGREJA

05/11/2011 14:49

Catolicismo = Paganismo

Autor: Pastor Samuel Yakov

 
 
 

A Mistura. A Igreja que vendeu sua fé.

 

 

Dentre muitas opiniões e expressões soberbas que costumamos ouvir de católicos e seguidores desta seita romana, uma que é mencionada muitas vezes é a seguinte:

“A Igreja Católica é a maior instituição religiosa no mundo”

Não conto às vezes que ouvi tal frase sendo mencionada por pessoas orgulhosas que afirmavam praticar as tradições e dogmas católicos.

Existe porem alguns pontos que devem ser avaliados sobre o crescimento do catolicismo.

Que a Igreja Católica é uma das grandes instituições religiosas do mundo isso não se discute. No entanto precisamos saber qual é o preço pago pelo seu crescimento e qual o tipo de crença que ela realmente professa?

É necessário enfatizar que Catolicismo não é Cristianismo. Pelo menos não o cristianismo ensinado na Bíblia por Cristo e seus apóstolos.

Embora muitos católicos possam se sentir ofendidos por esta afirmação, mas não poderíamos apoiar os ensinos e dogmas católicos, sendo que os mesmos diferem em muito dos ensinamentos do verdadeiro Evangelho.

Quando comparamos os ensinamentos católicos com o que foi dito pelo Senhor Deus em sua Palavra, percebemos que não há como os dois ensinamentos serem parte de uma mesma doutrina.

Mas então o que realmente seria o Catolicismo? Como classificar suas doutrinas e ensinamentos?

A resposta para estas perguntas pode ser encontrada juntamente com as explicações para o crescimento da Igreja Católica Romana.

 

Paganismo Católico

A Igreja Católica é uma das maiores agregadoras de seitas e costumes pagãos em toda a historia da humanidade. Nunca houve uma instituição tão sincretista e capaz de tolerar as mais variadas formas de deuses cultos e costumes.

Isto começou a ocorrer após 300 anos, da idade de ouro dos mártires e santos perseguidos pela Roma pagã. Depois da "conversão" do imperador Constantino (312 d.C.), o Cristianismo foi declarado religião do estado e multidões pagãs foram aceitas na Igreja, passando pelo batismo, sem conversão alguma!

Os povos pagãos foram sendo aceitos pela Igreja, juntamente com seus muitos rituais e falsos deuses. As cerimônias cristãs agora traziam louvores a ídolos pagãos camuflados com nomes de santos e personagens importantes do cristianismo. Igualmente costumes, comemorações e outras liturgias tiveram que ser mudadas para acomodar melhor os novos professos. A Igreja de Cristo antes praticante da fé genuína começou a se prostituir com deuses e costumes estranhos, paganizando o evangelho que havia recebido e invalidando a sua eterna aliança com Cristo. Esta mistura ocorreu lentamente, a cada década misturando mais misticismo e simbologia de impérios pagãos com quem o Catolicismo manteve contato.

Um exemplo claro da mistura do paganismo com o catolicismo pode ser visto na imagem da própria ‘Virgem Maria’, quando a Igreja Católica, para agradar aos adoradores da Deusa-Mãe Semirames com seu filho Tamuz nos braços, reproduziu a mesma imagem afirmando ser a representação de Maria segurando o menino Jesus.

"Rainha do céu," era um título de Semíramis e ainda hoje é usado dentro do Catolicismo em referencia a Maria. A adoração a Deusa-Mãe Semirames ou “Rainha dos céus” espalhou-se por varias partes do mundo estando completamente entranhada em varias culturas que logo puderam ser absorvidas pelo Catolicismo.

Na Fenícia; eram chamados de "Ashtar e Baal". No Egito; Isis e Horus. Na Grécia; Afrodite.Na Ásia; Cibele e Deoius.

Em todas as suas representações, encontradas dentro destas culturas era representa por uma mãe segurando um filho. "Mesmo no Tibete, China, e Japão, os Jesuítas missionários foram surpreendidos ao encontrarem a duplicata de Madona e sua criança, sendo adoradas como na própria Roma." Na África a "Grande Mãe" recebeu honras divinas. Idem pág.15. ("Two Babylons", pág. 20, veja a foto á baixo).

Estas misturas tornaram-se comuns dentro do Catolicismo, fazendo com que os povos pagãos simpatizassem com a Igreja emergente, pois poderiam perfeitamente fazer parte da religião do império e continuar adorando aos seus deuses devido a tamanha semelhança, já que praticamente quase todos possuíam imagens que os representavam dentro do Catolicismo. (Enciclopédia da Religião Vol. 2, Pág. 398).

Por volta 787 DC começaram os cultos com imagens, a Igreja Católica começou a concorrer ferozmente com os templos pagãos. Os pagãos, especialmente os gregos, tinham várias imagens e diziam que elas eram os deuses do Olimpo. Os católicos por sua vez exibiam os santos dentro das igrejas, para atrair aqueles que participavam de outras seitas.

Não bastasse isso a Igreja passou a utilizar varias outras táticas para trazer novos confessos a seus templos. Á partir daí tudo valia até mesmo invalidar qualquer ensinamento bíblico se tal fizesse com que o Catolicismo crescesse e enriquecesse cada vez mais.

No ano 830 DC a Igreja Católica Apostólica Romana começa a usar ramos e água benta dentro da igreja, visando saciar a sede de misticismo corrente naquela época e por meio destes símbolos não deixar nada a desejar em referencia a qualquer simbolismo de outras religiões. Percebemos que aos poucos uma doutrina que antes era santa começou a se adequar ao paganismo para garantir seu crescimento.

Outros símbolos litúrgicos encontrados no Catolicismo, também demonstram a grande influencia do paganismo na fé católica desde que esta fé começou a se corromper misturando-se com outros deuses e cultos.

Como exemplo disso vemos a HÓSTIA, que por volta do ano 1200 substituiu o pão nas cerimônias Católicas. É possível que tal decisão tenha sido influenciada pelo culto pagão egípcio no qual encontramos o disco redondo simbolizando OSÍRIS o deus sol que tomou a forma humana e nasceu não a fim de oferecer a sua vida como sacrifício, mas para que se tornasse vida e alimento das almas dos homens.

“Epiphanio afirma que a prática de fazer “HÓSTIAS” principiou entre as mulheres da Arábia, no quarto século, justamente em culto idólatra tributado à virgem Maria, também chamada “Rainha do Céu”“.

É admitido universalmente que "ISIS" era o tipo original da deusa "CERES". "CERES", porém, era adorada não só como a descobridora do trigo, mas era também considerada a "Mãe do Trigo". (Davis - Los Druidas Britânicos, pag 320, 540). Aí temos, pois, o trigo transubstanciado no filho da deusa "CERES", a "Senhora Rainha do Céu"!

A Virgem "CERES", era, porém, representada com "uma espiga de trigo nas mãos, que correspondia a deusa e seu filho; como no Egito, a "ISIS" e "OSIRES"; como na Índia "ISA" e "ISVRA", na Ásia, "SIBELE" e "DIONÍSIO"; em Roma "FORTUNA" e "JÚPITER", como na Grécia "IRENE" e "PLUTUS", em seus braços, e como ainda no Tibete, na China e no Japão, onde a "Senhora e seu Filho", eram adoradas como na igreja papal do Vaticano. (Hislop - Las dos Babylonas, pag 33)

"O "Filho de CERES", que se encarnara no trigo, criam os egípcios que era o deus "SOL": (Busen El Egito, Tomo I, pag 386, 387). Pois bem, além das circunstâncias já referidas, que tão eloqüentemente proclamam o mimetismo que a Igreja Católica Romana tem praticado do paganismo, parece que teve inconscientemente o cuidado de conservar, em sua liturgia, as evidências da origem, pagã do seu sacrifício cruento, no deus "Hóstia", feito de trigo e de forma redonda. E que mais, se em Babilônia o deus "BAR" era chamado de "TRIGO", se no Egito o deus "SOL" era representado na "HÓSTIA DE TRIGO", na Igreja Romana, em uma das suas orações da litânia, o católico se dirige a HÓSTIA e diz muito seriamente: "... Óh! Trigo dos Eleitos tem misericórdia de nós!..."

As Hóstias trazem a marca "I.H.S" que dizem os romanistas significar: "IESU HOMINUM SALVATORI" ou "Jesus Salvador dos Homens". Pois bem, para os pagãos egípcios esse mesmíssimo sinal ou marca de "IHS" significava: "ISIS, HORUS, SEB", isto é: "A Mãe, o Filho e o Pai dos deuses." Seriam estes fatos apenas uma coincidência? Logicamente que não pois muitas outras evidencias são encontradas comprovando o sincretismo.

 

O Paganismo evidente.

A adoração ao SOL.

O Catolicismo não tem como esconder o paganismo evidentemente entranhado em seu interior, tanto em suas cerimônias e liturgias, como nos seus símbolos sagrados incrustados em seus templos e em sua historia.

As evidencias que provam este paganismo são claras. Por mais que alguns tentem argumentar defendendo esta seita romana, todavia qualquer argumentação seria no mínimo absurda, mediante a tão grande quantidade de fatos que comprovam o que estamos a afirmar, os quais mostraremos a seguir.

Antes de prosseguirmos analisaremos algumas porções das Sagradas Escrituras onde Deus condena a adoração ao Sol.

(Ezequiel 8:15, 16, 17, 18)

E disse-me: Vês isto, filho do homem? Ainda tornarás a ver abominações maiores do que estas. 16- E levou-me para o átrio interior da casa do SENHOR, e eis que estavam à entrada do templo do SENHOR, entre o pórtico e o altar, cerca de vinte e cinco homens, de costas para o templo do SENHOR, e com os rostos para o oriente; e eles, virados para o oriente adoravam o sol. 17- Então me disse: Vês isto, filho do homem? Há porventura coisa mais leviana para a casa de Judá, do que tais abominações, que fazem aqui? ... 18- Por isso também eu os tratarei com furor; o meu olho não poupará, nem terei piedade; ainda que me gritem aos ouvidos com grande voz, contudo não os ouvirei.

(II Crônicas 34:7)

E, tendo derrubado os altares, e os bosques, e as imagens de escultura, até reduzi-los a pó, e tendo despedaçado todas as imagens do sol em toda a terra de Israel, então voltou para Jerusalém.

(Ezequiel 6:4)

E serão assolados os vossos altares, e quebradas as vossas imagens do sol e derrubarei os vossos mortos, diante dos vossos ídolos.

 

Está claro nas Escrituras que Deus não abominava somente as imagens de escultura, mas também existe uma grande aversão da parte do Senhor as imagens do Sol, pois as mesmas representavam as deidades pagãs adoradas por nações que não o reconhecia como sendo o único Deus e Senhor.

Estas imagens são encontradas as centenas dentro da liturgia Católica. Vejamos apenas uma pequena porção delas:

No tumulo do Papa Alexander VII – Basílica de São Pedro encontramos uma mulher no lado direito abraçando carinhosamente contra o peito a imagem de um Sol, uma clara referencia a adoração das deusas pagãs e o Sol encarnado.

Curiosamente pode ser encontrada a imagem do Sol em inúmeras construções católicas, como no exemplo a cima na Basílica do Santo Sepulcro em Israel podemos observar o disco solar em quase todos os lugares, mais parecendo um templo ao deus sol do que um monumento cristão.

Na Basílica da Natividade, em Belém também encontramos como tema central o sol, estampado no piso e em outros adornos espalhados por este templo, mas uma vez ligando Cristo ao Sol ou talvez neste caso ao nascimento do deus sol, reverencia bastante comum no paganismo. Coincidência?

Não seria diferente em Roma centro da fé católica, onde uma enorme imagem de mármore e bronze estuque branco e dourado mostram claramente o Sol entronizado como deus, e em nada contrasta com a Abóbada da Basílica de São Pedro onde o centro é o Sol brilhante

Acima está FIDES, feita no inicio do século 18. Nessa FIDES' na mão esquerda está a taça dourada (em frente da cruz) e a mão direita da mulher está a imagem pagã do sol.

Nós encontramos a mesma FIDES em uma versão mais atual retratada acima do púlpito dos beneditinos 'Melk Monastery' no Danúbio na Áustria, onde mais uma vez a figura do Sol se faz destacar.

Basicamente em quase todas as áreas de expressão da fé católica podemos encontrar a figura do Sol influenciando diretamente na adoração e liturgia. Isso não se resume somente a uma simbologia, mas o que pode ser notado é uma perceptível adoração a esta imagem, já que sua notoriedade vai alem de uma simples reverencia, a ponto de se prostrarem na sua presença.

Mesmo que tal figura de alguma forma fosse utilizada para representar Cristo, de onde viria esta representação? Onde nas Escrituras encontramos esta sugestão ou mandamento? Ao contrario, encontramos repreensão contra estas praticas nas referencias á cima mencionadas.

Devemos considerar que estas praticas são realmente idênticas aos cultos pagãos que foram sendo absorvidos pelo Catolicismo e que aos poucos tais coisas foram inseridas no ceio da Igreja Católica Romana, produzindo assim uma fé que possui os atributos e misticismos do paganismo.

 

Catolicismo um outro evangelho.

 

 

Uma verdade inegável na Bíblia Sagrada é o fato de que o Evangelho não pode ser mudado. Ao contrario! Qualquer mudança imposta desonestamente no conceito outrora já estabelecido por Deus, Jesus e seus Apóstolos, implicaria na condenação do homem responsável por esta atitude. "Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro (Ap 22.18)."

O Evangelho apresentado por Cristo, foi exposto muito claramente, o qual também foi complementado por todo o contexto inspirado de toda a Escritura Sagrada.

A medida que novos conceitos vão sendo inseridos na mensagem pura do Evangelho, este vai perdendo sua clareza e sendo reduzido a tão somente uma religião ou manifestação humana.

Um certo pastor expressando-se sobre o evangelho de Cristo e a mistura com o paganismo, proferiu a seguinte reflexão:

"Se pegarmos um barril de 10 litros de leite e retirarmos apenas 1 litro e completarmos o barril com outra substancia qualquer, ainda assim teríamos os mesmos 10 litros de leite, porem um leite menos nutritivo já que agora seria um alimento misturado que perdeu parte de suas propriedades. Mas ainda assim seria leite!"

 

 

 

Esta ilustração embora pareça correta e reflita bem o evangelho que muitas igrejas vem vivendo em nossos últimos dias, não pode ser aplicada em relação ao Evangelho de Cristo, pois não existe meio Evangelho. Não pode haver mistura na Palavra e nos ensinamentos do Senhor Jesus.

Não é possível aceitar um evangelho misturado ou adulterado com tradições pagãs e conceitos políticos, ou mesmo alterado em concílios e reuniões, pois a Bíblia interpreta a Bíblia. Tal como alguns afirmam: "O evangelho é tão simples e claro que até mesmo as crianças seriam capazes de entender." Tal expressão parece absurda para o Catolicismo, mais esta é a natureza do Evangelho.

Deus não nos deu mistérios indecifráveis, e sim uma mensagem clara de salvação. Esta mensagem não deve ser mudada através de tradições e sim seguida conforme apresentada, pois são revelações do Espírito Santo.“E temos, mui firme, a palavra dos profetas, à qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro, até que o dia esclareça, e a estrela da alva apareça em vosso coração, sabendo primeiramente isto: que nenhuma profecia da Escritura é de particular interpretação; porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo” (2 Pe 1.19-21).

Não nos enganemos quanto a isso, o Evangelho não pode conter simbolismo ou liturgias retiradas de outras religiões. Não há associação entre o Evangelho apresentado na Bíblia com o evangelho apresentado pelo Catolicismo Romano.

Não vemos no Evangelho de Cristo a adoração a Santos! Não encontramos uma "deusa" chamada de rainha dos céus! Nem mesmo velas ou imagens e rituais místicos dos quais são abundantes dentro do Catolicismo! Não temos um Sumo Pontífice, pois este sempre foi um titulo pagão e nunca um atributo cristão. Não fazemos peregrinações ou promessas pois Cristo está sempre ao lado daquele que o aceita.

“A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou, no corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis, Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro.” (Col. 1: 21-23)

O Catolicismo é perceptivelmente um outro evangelho, pois seus rituais costumes e ensinamentos são na maioria das vezes contrários aos ensinamentos de Cristo. E quanto a outros evangelhos a própria Bíblia nos ensina que deveríamos considerar malditos ou seja "ANÁTEMA".

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.” (Gal. 1:8)

 

Os deuses do Paganismo e seus símbolos dentro do Catolicismo

Não somente uma enorme variedade de imagens representando o Sol são encontradas na liturgia católica, como também de igual modo vemos que esta mistura foi realmente intencional, pois os símbolos do paganismo foram inseridos diretamente em altares e objetos de culto, provavelmente para que os pagãos não notassem a diferença dos seus cultos para as cerimônias do Catolicismo. Isso não seria de se espantar já que esta é uma religião que sempre foi imposta por meio da força, conforme fez Constantino e todos os outros lideres católicos que o sucederam.

Percebamos que quem inseriu todo este misticismo e culto a deuses estranhos dentro do seio da igreja que antes disso podia se considerar cristã, não se preocupou em ocultar suas intenções

Temos abaixo alguns símbolos de Baal e Shamash, que ao compararmos com símbolos do Catolicismo, percebemos não haver diferença nenhuma, visto que todos são atribuídos a adoração ao deus Sol.

Acima temos uma coluna do deus pagão Baal, também adorado como sendo o deus Sol. Esta coluna foi encontrada na cidade Cananita, Hazor, no norte de Israel, datada de 1300 anos antes da época de Cristo. Ao seu lado vemos a representação de Shamassh um outro deus Sol adorado pelos Babilônicos

O que estas imagens tem em comum? Ambas tem o símbolo cerimonial representando a divindade solar, um circulo com uma espécie de estrela em seu inteiror, ou mesmo um tipo de cruz em outras representações.

Também encontramos em abundancia este símbolo em meio a alteres, castiçais, construções e outros utensílios do culto católico, provando que não somente ha. uma ligação ou coincidência litúrgica entre o Catolicismo e o Paganismo, mas o Catolicismo seria o próprio Paganismo pois até os seus mais preciosos símbolos místicos foi capaz de incorporar em sua liturgia.

Abaixo a esquerda a praça São Pedro em Roma e a direita o símbolo de baal

É incrível como podemos encontrar praticamente qualquer símbolo ou cerimonial pagão dentro do Catolicismo. Mesmo que uma parte destas observações fossem apenas uma infeliz coincidência, o que não é o caso, não seria possível negar que isso foi cociente e proposital.

Até nas vestimentas percebe-se o sincretismo, onde os lideres Católicos procuraram tornar o culto ao Deus verdadeiro exatamente igual ao culto a deuses do paganismo, modificando as vestimentas do sacerdote para que este não pudesse ser distinguido dos sacerdotes pagãos

Na imagem seguinte temos a representação de um sacerdote do falso deus Dagom. Este foi um dos mais terríveis demônios pagãos dos quais Deus Jeová travou batalhas e ordenou que seu culto fosse destruído pelo povo de Israel. Esse ídolo tinha o corpo de um peixe, a cabeça e os braços de um homem. Era uma deidade da assíria-babilônia." [Easton's Illustrated Dictionary]. "O nome Dagom refere-se a Peixinho; diminutivo de dag= peixe, o deus-peixe; o deus nacional dos filisteus (Juízes 16:23)

Seus profetas e sacerdotes usavam uma manta e mitra em forma de peixe. Na extremidade esquerda você vê um sacerdote de Dagom vestido com uma mitra espargindo água benta com uma mão e segurando uma vasilha de água na outra. A figura na direita superior mostra dois sacerdotes de Dagom espargindo água benta enquanto olham para um símbolo egípcio da adoração ao sol. Esta cerimônia ocorria exatamente dessa forma nas tradições do paganismo Isso não nos parece familiar?

O que temos aqui não são somente as vestimentas dos sacerdotes católicos, mas também a liturgia usada por eles em suas missas e celebrações, provando que este costume foi incorporado ao Catolicismo diretamente do culto a Dagom

Abaixo à esquerda temos a imagem do rei assírio Shamshi-Adad V, esta escultura é datada de aproximadamente 824-811 a.C. O rei carrega uma cruz maltesa grande no seu peito, como um símbolo alternativo de Shamash, deus do sol e da justiça. Em vestimentas sacerdotais católicas também encontramos o mesmo símbolo pagão.

Não é diferente nos exemplos que mostraremos a seguir, onde a aliança entre o Catolicismo e o paganismo chega a ser inegável. Temos uma escultura do rei assírio Ashurnasirpal II (883-859 a.C) onde encontramos outra vez a imagem da cruz maltesa no peito. Ele esta apontando para o Sol que demonstra toda a sua adoração ao falso deus sol shamash. Podemos perceber a imagem do Sol em seu pulso. Ao seu lado vemos uma foto do papa João XXIII, curiosamente portando os mesmos símbolos em suas vestimentas e exatamente no mesmo lugar.

Apenas em uma imagem do sumo pontífice do Catolicismo o papa Bento XVI ("World Photos: Golden Robe of Pope Benedict XVI", Yahoo News, 25/4/2005.) encontramos alguns símbolos e sinais litúrgicos bem conhecidos por pagãos e satanistas. Ele usa a mitra de dagom e carrega em seu manto dourado duas grandes conchas. No que se refere as conchas sabemos que no paganismo representam a figura de Lucifer, também Vênus e Afrodite. A imagem da concha é bem presente em varias tradições pagãs na Grécia antiga.

Em sua mão o sumo pontífice carrega a cruz vergada outro símbolo bem comum dentro do satanismo Como nos ensina o historiador católico Piers Campton, em seu livro "The Broken Cross: Hidden Hands in Vatican", editado em 1981, Essa cruz é "um símbolo sinistro, usado pelos satanistas no século VI, o qual foi recolocado em uso desde o tempo do Concílio Vaticano II. Nessa cruz vergada é exibida uma figura distorcida e repulsiva de Cristo, a qual era usada por todos os praticantes de feitiçaria e magia negra, na Idade Média, expressando a passagem bíblica da Marca da Besta..."

Nas imagens a seguir temos o papa segurado o seu cajado adornado com o enfeite de uma pinha e ao seu lado um suporte para velas também contendo este mesmo adorno. Mas qual problema haveria nisto afinal? Não seria comum se usar estas imagens como decoração de objetos religiosos? Afinal este tipo de decorações não são comuns em festas natalinas?

Em verdade nenhum problema haveria se este símbolo não fosse um dos mais utilizados em religiões pagãs, para simbolizar a eternidade e vida eterna, a sensualidade, desejos sexuais, orgias, fertilidade e também vários tipos de cultos místicos que praticam a necromancia, astrologia e outras artes místicas.

A pinha e o pinheiro estão profundamente ligados ao paganismo de inúmeras religiões no mundo antigo e moderno, podendo ser encontrada nas cerimônias e objetos destas religiões

A mão mágica de bronze, data do período final do Império Romano, quando as ciências ocultas se proliferaram grandemente, esta mão trás os principais símbolos desta época uma cabeça de enguia e uma pinha.

Os adoradores de Dionísio procuravam entrar em um estado de frenesi, durante o qual tinham visões sobre o futuro." [Mind and Magic, Francis X. King, Crescent, Grã-Bretanha, 1991, pg 150.] Este culto pagão praticava muitos outros tipos de cerimônias dentre elas orgias sexuais e manifestações espirituais.

A pinha estava presente nas imagens que representavam o deus grego Dionísio na imagem o vemos segurando um cajado com o adorno de uma pinha na ponta, simbolizando a fertilidade e sexualidade.

A gravura a seguir representa Baco, o deus da bebida segurando um bastão que tem uma pinha na ponta. Os pagãos gostam de beber prodigamente e se deleitam em suas bebedeiras. Portanto, não devemos ficar surpresos ao saber que Baco é celebrado como se estivesse desejando a vida eterna, ao mesmo tempo em que se embriaga. Você já observou que a Igreja Católica Romana enfrenta o problema do alcoolismo entre seu clero e seus fiéis? Além disso, países católicos, como a Irlanda, França e Itália também são conhecidos pelo alto consumo de álcool.

 

Como vimos era comum no paganismo o uso de pinhas para decorar cetros e bastões. A próxima imagem nos mostra um bastão com uma pinha na ponta usado para cultuar e simbolizar o deus-sol Osíris, (Museu Egípcio, Turin, Itália). Ao lado uma gravura de um deus mexicano segurando uma pinha e um pinheirinho, símbolos do renascimento e do sol

Dentro do paganismo de muitas religiões a pinha também é usada para representar o poder da regeneração. Na gravura que expomos a seguir vemos um deus alado assírio segurando uma pinha atribuindo a ela tais propriedades.

Mediante a todas estas evidencia que provam que estes adornos não passam de simbolismo pagão, por que a Igreja Católica aderiu a estes símbolos? Por que faz tanta questão em mostra-los em seus utensílios cerimoniais e exatamente ocupando os mesmos lugares que ocupam no paganismo?

Fotos da maior pinha do mundo, na Praça de São Pedro, no Vaticano, no Pátio da Pinha.

Existe também outras influencias vindas da maçonaria e religiões secretas, mostrando que o Catolicismo agregou membros pertencentes a basicamente qualquer costume religioso e culto a deuses estranhos.

Símbolo Papal = Símbolos Maçônicos e Shamash.

Acima temos a roda das oito etapas um símbolo usado na adoração ao Sol e também a Cruz Maltesa. De um lado artefato e construção do Paganismo e do outro o Papa e construção Católica. Não seria difícil persuadir um pagão adorador do Sol a se tornar adepto do Catolicismo, já que não parecem haver diferenças nem em vestimentas como em construções.

Como já foi mencionado antes, o Catolicismo é um grande movimento religioso. No entanto isso só pode ser possível graças a venda barata de sua fé, adquirindo uma identidade que mais parece a junção de centenas de cultos diferentes, do que uma igreja cristã.

Se procurarmos semelhanças entre o culto apresentado na Bíblia e o culto praticado no Catolicismo, basicamente não encontramos nenhuma. Porem se procurarmos no Paganismo de varias religiões ao redor do mundo conforme já temos provado através de muitas evidencias, certamente encontraremos inúmeras semelhanças.

 

Bibliologia:

Biblia de estudo Bolma versão digital

Easton's Illustrated Dictionary.

livro "The Broken Cross: Hidden Hands in Vatican"

Mind and Magic, Francis X. King, Crescent, Grã-Bretanha, 1991, pg 150

www.espada.eti.br

 

Prostituindo o verdadeiro Evangelho

 

 

“A Igreja Católica é a única religião onde o fiel pode participar da missa de manhã, estar presente na seção espírita do Kardecismo à tarde e ir para os terreiros de macumba à noite!”

 

 

Como nos foi mostrado nos artigos anteriores, o Catolicismo Romano é uma verdadeira “colcha de retalhos.” Encontramos traços de centenas de outras religiões pagãs que mergulharam e fincaram suas raízes dentro deste segmento que está disposto a concretizar qualquer pacto ou aliança se isso significar crescimento e riqueza.

Mencionamos fatos e provas de um passado em que o Catolicismo agregou vários cultos pagãos ao exercício de suas cerimônias e em seus dogmas e mandamentos. Também aceitou e incorporou simbolismos e figuras de culto em que o sol era uma divindade.

Porem é importante mencionarmos que esta mistura não ocorreu somente em um passado histórico do Catolicismo, mas é uma tática bastante utilizada ainda nos dias de hoje.

É fato inegável que o Catolicismo Romano continua permitindo a infiltração de costumes e cultos a demônios dentro de suas Igrejas. O sincretismo existente no Catolicismo é visível em vários lugares do mundo.

Aqui no Brasil podemos encontrar cerimônias católicas adulteradas e misturadas com o misticismo da umbanda, macumba e outros cultos afros.

O Catolicismo afirma apenas querer manter com estes cultos uma conduta ecumênica onde o evangelho pode ser anunciado “a tempo e fora de tempo”, mas esta não é a verdade! Trata-se novamente de uma aliança. O Catolicismo não está preocupado em pregar o Evangelho como ele foi exposto por Cristo! Não se preocupa em defender a verdadeira fé e sim adquirir poder e riquezas, não importando a que demônios irá ter que se prostrar e fazer aliança.

Não é de hoje que podemos observar este sincretismo entre o Catolicismo e as religiões africanas.

Durante a “evangelização” dos escravos trazidos da África para o Brasil, os padres encontraram uma grande resistência em convertê-los dos seus costumes religiosos. Apesar de estes escravos como bem sabemos através dos registros históricos terem sido “convertidos” por meio da força, ou seja, foram obrigados sobre as mais severas penas inclusive a morte a abandonar sua religião materna e seus costumes tribais, mesmo assim outros métodos precisaram ser usados.

A tática usada foi à inserção de varias ‘divindades’ Africanas no Catolicismo, orixás, caboclos e outros ídolos assumiram lugar nas cerimônias católicas. Cada orixá possuiria á partir deste momento uma representação católica. Os orixás são entidades espirituais que segundo a crença africana guiam os terrestres Em outras palavras são demônios. “Ogum” no Candomblé corresponde a “São Jorge” no catolicismo. “Oxolá” no Candomblé é “Senhor do Bonfim” no catolicismo. Tudo isso é engano. É como cegos guiando cegos. Isso atola ainda mais o catolicismo no lamaçal do pecado da idolatria que a Bíblia tanto condena. A omissão Católica quanto a prática da idolatria chega a ser vergonhosa.

A seita romana continua a fazer o que sempre fez de melhor, prostituir o Cristianismo com outros deuses.

Somente aqui no Brasil este pacto do Catolicismo com os demônios produziu os mais estranhos e bizarros cultos, que deixariam qualquer um confuso sem saber se o que vê é uma igreja cristã ou um terreiro de macumba.

Observemos a foto á baixo. Seria ela apenas uma comemoração cultural? Seria um templo umbandista adornado para algum festejo?

Não! Esta é uma foto da popularmente chamada “missaxé,” uma missa que ocorre na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos situada no Largo do Pelourinho em Salvador. Católicos fervorosos, Umbandistas e seguidores do Candomblé dividem espaço para adorarem suas divindades em uma perfeita cerimônia ecumênica de amor e respeito ao próximo, conforme afirmam centenas de simpatizantes.

A cerimônia possui liturgia e ritos católicos, porem os cânticos são regidos pelo vigor dos tambores e atabaques, agogôs e cavaquinho do afoxé. No ofertório, mães de santo entram na igreja conduzindo pão e rodopiando acompanhadas de sons afros, demonstrando fé na divindade suprema, que ora é Deus, ora é Oxalá.

Os cânticos entoados não são os tradicionais encontrados na liturgia católica, mas uma mistura capaz de “agradar a gregos e troianos.”

 

"Canto XI", c/Geraldo Filme"Otê! Pade Nosso cum Ave Maria,securo camera quit´Angananzambê, aiô..."

 

 

"Canto XII", c/Clementina de Jesus"São João foi céu, foi passiá;

Foi visitá Noss´Sinhô..."

 

Louvores a Oxalá são claros e o reconhecimento de varias entidades africanas que em nada se parecem com o Deus altíssimo mostrado na Bíblia. O altar que por direito deveria ser somente do Senhor Deus está sendo profanado ao bel prazer dos lideres católicos que a muito se desviaram das Sagradas Escrituras.

Não importa qual seja a justificativa para tamanha apostasia. Não existe nenhuma razão para que tais atos sejam praticados por um cristão genuíno. A Bíblia nos ensina;

 

 

“Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade?Ou que comunhão, da luz com as trevas? Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos?

Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” (2 Coríntios 6:14 ao 16)

Comemorações onde o sincretismo e a “paganização” do Cristianismo são claramente promovidos e apoiados pela Igreja Católica são comuns em quase todo o nosso país. Algumas festas e ritos são mais conhecidos devido ocorrerem em lugares turísticos e históricos, porem sabe-se que em todo o Brasil existe esta imensa mistura de crendices e misticismo, muitas vezes retirados de cultos a demônios.

Curiosamente os lideres católicos não parecem estar tão preocupados em defender a verdadeira fé, pois são capazes de tolerar os mais absurdos atos de blasfêmia e profanação, se isso lhes conceder prestigio e dinheiro.

Na Bahia conforme mencionamos foi mais fácil fazer aliança com os cultos africanos. Pareceu mais lucrativo ao Catolicismo se dobrar aos deuses trazidos da África ao invés de pregar o genuíno Evangelho.

Outra comemoração católica que ocorre também na Bahia na cidade histórica de Cachoeira, no Recôncavo baiano, atrai anualmente centenas de turistas. Esta comemoração não somente é um exemplo de sincretismo, como a declaração aberta da aliança entre Catolicismo e Candomblé.

A festa de “Nossa Senhora da boa morte” trás os costumes e rituais dos terreiros de Candomblé para dentro da igreja Católica.

A comemoração é regida pela irmandade da Boa Morte que de acordo com os estudiosos, é uma confraria exclusivamente feminina fundada na Igreja da Barroquinha, em Salvador, ainda no século XVIII, por africanas libertas nagôs (iorubanas, vindas do Benim/Nigéria) e abertamente vinculadas ao candomblé.

Para os adeptos desta comemoração o culto não é somente a Maria, ou seja, “Nossa Senhora” conforme denomina o catolicismo a mãe de Jesus, mas também aos Orixás (ketu/nagô) ou Voduns (jêje/nagô) africanos. Nanã Buruku, mãe de Exu e Omolu, e Dã, a serpente sagrada dos jêjes.

Em 1830 esta mesma irmandade fundou bem nos fundos próximos da igreja da Barroquinha um terreiro dedicado a Xangô (o rei de Oyó, sítio nigeriano) denominado Iyá Omi Axé Airá Intilé.

Os rituais praticados na festividade são compostos por rezas, missas, danças batuques procissões e cerimônias secretas praticadas nas madrugadas dos terreiros.

Não nos enganemos com as lorotas do Catolicismo, mesmo que as manifestações culturais baianas tenham um valor histórico e considerável no que se refere a luta contra a escravidão e a resistência de poucos negros que são dignos de reconhecimento por suas atitudes humanitárias e isso eu mesmo afirmo ser admirável. Mesmo tendo em vista tais valores não devemos aceitar os cultos as divindades trazidas da África. Não por mero preconceito, mas por que a Bíblia condena tais religiões e encontramos nitidamente nas Escrituras cristãs que tais praticas são culto a demônios e não devemos fazer parte de tal coisa.

 

1 Coríntios 10:21 Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.

Efésios 5:11 E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as.

Tiago 3:11, 12 Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso?

Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos? Tampouco fonte de água salgada pode dar água doce.

 

Este cruel e desavergonhado sincretismo religioso que ocorre com total permissão dos lideres católicos em nosso pobre e idolatra país tem se espalhado por quase todas as regiões. Pode-se dizer que onde há uma igreja católica existem manifestações idênticas as que ocorriam na antiguidade quando o mundo ainda estava à mercê de toda sorte de crendices e cultos a deuses e demônios.

Tanto na Bahia como em Recife, Rio de Janeiro, Porto Alegre e em outros estados, podemos encontrar o mesmo catolicismo misturado com Umbanda Candomblé e outros ritos pagãos. Nestes locais a suposta “Nossa Senhora” a “mãe dos católicos” chega a ser confundida com Yemanjá orixá africano. Em alguns destes lugares imagens de “Nossa Senhora” e Yemanjá desfilam juntas em procissão pelas ruas, e são adoradas por católicos e umbandistas, que na sua maioria nestes locais professam a mesma fé. Alguns participam da missa de manhã e vão para os terreiros á noite.

Tal fato não é de se admirar dado a tão grande semelhança que os rituais pagãos tem em relação as celebrações católicas e os alteres do Catolicismo serem também encontrados dentro destas religiões.Nas fotos a cima mostradas quase não é possível discernir quem é Yemanjá e quem são as "Senhoras" do Catolicismo.

Para que precisaríamos de um Panteão grego se temos milhares de imagens de “santos” e cada uma para uma doença ou problema diferentes? Santos brancos, pretos, mulatos, pardos, em fim! Temos no catolicismo santos para qualquer tipo de culto. Temos santos que se encaixam perfeitamente nos terreiros de macumba, afinal foram feitos com este intuito, atrair participantes dos cultos afros para dentro da “santa igreja.” Temos santos pobres, ricos, uma variedade de imagens. Porem não podemos encontrar na Igreja Católica aquilo que deveria ser o centro de sua adoração, a presença e santidade de um Deus vivo e todo poderoso.

Constantemente os católicos afirmam que os protestantes em todas as suas ramificações são seitas heréticas e que os movimentos de reforma são uma mancha negra no Cristianismo. Mas se observarmos as doutrinas da Bíblia Sagrada. Não aquelas criadas em concílios por papas e bispos que tantas vezes se contradisseram, perceberemos que aqueles que eles chamam de seita, são na realidade o único movimento preocupado em zelar pelos ensinamentos deixados pelo Mestre Jesus.

É certo que nem todo movimento assim chamado evangélico visa divulgar o Evangelho com honestidade. Algumas vezes pastores e lideres utilizam-se da fé com o objetivo de obter proveito próprio conforme vemos hoje na mídia. Porem isso ocorre sem o apoio de muitas outras congregações e denominações.

Muitas destas supostas “igrejas” não são bem vistas pelos próprios crentes, algumas vezes até mesmo nós as denominamos seitas, visto que não pregam a genuína Palavra de Deus.

Tal coisa não ocorre no “império Católico” pois como eles mesmo afirmam a “Igreja Católica é una” e fora dela não há salvação.

Para citar o Apóstolo Paulo:"...confesso-te que, segundo o Caminho, a que chamam seita, assim eu sirvo ao Deus de nossos pais, acreditando em todas as coisas que estejam de acordo com a lei e nos escritos dos profetas, tendo esperança em Deus, como também estes a têm, de que haverá ressurreição, tanto de justos como de injustos."(Atos 24:14 e 15)

 

 

 

 

 

Alianças profanas do Catolicismo

 

 

“Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?

Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo?

Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo.” (2 Coríntios 6:14 ao 16)

 

É fato provado tanto historicamente como por atitudes na atualidade, que o Catolicismo Romano possui e promove alianças ecumênicas com varias crenças, seitas e cultos demoníacos ao redor do mundo. Tais atitudes defendidas e promovidas pela liderança católica não visam promover a paz ou comunhão, mas favorecer relações políticas que possam lhes ser lucrativas.

 

Nesta matéria mostraremos em detalhes o porquê não devemos apoiar o ecumenismo promovido por varias seitas e que esta pratica é anti-biblica e fruto dos planos satânicos do inferno.

 

A Palavra de Deus não nos ensina a nos misturarmos com outras religiões, ao contrario, nos ordena a não manter comunhão alguma com religiões que pregam outros deuses, dos quais a Bíblia os classifica como sendo abominações e demônios.

 

Em todo o Antigo e Novo Testamento encontramos repreensões contra a associação com outras religiões.

 

"Não terás outros deuses diante de mim." (Êxodo 20:3)

"E, em tudo que vos tenho dito, guardai-vos; e do nome de outros deuses nem vos lembreis, nem se ouça da vossa boca." (Êxodo 23:13)

 

Muitos podem até afirmar que esta visão é radical e desumana. Que como cristãos devemos aceitar outras culturas e religiões. Que devemos nos unir como uma grande fraternidade global. No entanto tal idéia não é mostrada na Bíblia. Nem tão pouco ensinada por Cristo. Pessoas que não lêem a Bíblia e não conhecem seus ensinamentos tendem a acreditar que “amor” seria aceitar todas as diferenças, mas esta filosofia é no mínimo inspirada nos conceitos dos movimentos de Nova Era que por sua vez preparam o reinado do Anticristo onde segundo as profecias bíblicas haverá uma falsa paz e harmonia promovida pelo diabo,

 

“Não penseis que vim trazer paz à terra; não vim trazer paz, mas espada. (Mateus 10:34)”

 

Em nenhum momento nos ensinamentos de Cristo é passado que devemos respeitar outras crenças ou mesmo manter comunhão com quem as pratica. Ao contrario disso vemos que devemos condenar tais cultos e expor através da visão bíblica quais seriam as verdades de Deus.

 

Efésios 5:11 E não sejais cúmplices nas obras infrutíferas das trevas; antes, porém, reprovai-as.

 

Devemos entender então que amor divino ou mesmo amor cristão não é passar a mão na cabeça das pessoas e dizer; “Está tudo bem! Deus te aceita da maneira que você é!” Não importa os seus vícios, deformações de personalidade ou demônios que você admira e adora! Venha para a igreja da forma que quiser e seremos irmãos!”

 

Tais afirmações até seriam cabíveis no Catolicismo, mas o Evangelho pregado por Cristo e seus apóstolos é uma palavra de transformação, de abandono da iniqüidade e compromisso com um único Deus. O que passar disso é de procedência maligna.

 

Mas por que o Catolicismo não esta preocupado com a visão Bíblica sobre fazer alianças com outros cultos e deuses? Por que a Igreja Romana encoraja estas praticas?

 

Simples! Porque a mesma não está preocupada em seguir as doutrinas bíblicas e sim seus dogmas e regras que são alterados e substituídos sempre que lhes parece proveitoso.

 

Mesmo os lideres desta seita ou os chamados papas apóiam claramente esta falsa paz chamada de ecumenismo.

 

Vários "apologistas" católicos defendem estas alianças profanas com toneladas e mais toneladas de expressões filosóficas e ideológicas dizendo; “Não estamos fazendo isso! Isso é conversa de protestantes!”

 

Mas a verdade não pode ser negada. Não importa como eles chamam estas atitudes que estão tomando, a Bíblia as chama de abominação.

 

A Igreja Católica esta realmente prostituindo o Evangelho de Cristo com deuses (demônios) de outras nações, os quais sempre se opuseram ao Senhor.

 

O Catolicismo em nada parece estar preocupado com as suas atitudes perante os seus “fiéis”, pois não existem justificativas plausíveis biblicamente para explicar os seus desavergonhados atos de confusão. Suas alianças religiosas e políticas só contribuem para a alienação dos que afirmam seguir esta seita hipócrita.

 

Afinal qual é a religião verdadeira para um católico romano? Qual é o deus verdadeiro para um fiel da “santa igreja?” A quem eles devem se curvar e adorar?

 

Na foto a seguir vemos a “suma liderança católica” beijando o Alcorão (Assis 1986). Como justificar tais atitudes? Qual o livro sagrado que se deve reverenciar afinal?

Se alguém vem ter convosco e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis.

2 João 1:10

 

As informações a seguir foram pesquisadas de matérias e reportagens correntes na Web nas seguintes fontes (www.cacp.org.br http//solascriptura-tt.org/Seitas/AlaOuJesus´RMattes.html http://www.answering-islam.org/portugues/contradicoes.html) Caso contenha alguma afirmação errônea ou má interpretada sobre o islamismo o qual confesso. Não conheço tal doutrina a fundo! Gostaria de ser informado para submeter o texto a correção e com prazer me retratar se preciso for. Faço tal afirmação devido ao fato de não poder me responsabilizar por noticias correntes na Web e por matérias que outros escreveram,

A Palavra de Deus é clara a este respeito, um cristão autentico não reverencia outra doutrina. Um servo verdadeiro de Deus não se dobra a outros deuses e como sabemos muito bem Allah dos mulçumanos não é o mesmo Deus do cristianismo.

Embora alguns ignorantes afirmem não haver diferença entre Allah e Jeová, as diferenças são deveras gritantes. Mencionarei resumidamente não somente as diferenças na personalidade quanto nas praticas de fé:

· Deus Jeová o Deus dos cristãos é o criador do universo do mundo e de tudo que existe, pai de nosso Senhor Jesus Cristo e age em nós através de seu Espírito Santo.

· Allah era um nome que se usava para um dos deuses da Arábia, conhecido como o pai das deusas Lat, Uzza e Manat, adoradas por muitos. Ele não possui um filho chamado Jesus, ao contrario segundo os mulçumanos Jesus foi apenas mais um profeta.

· Para os mulçumanos Jesus não é divino, nem salvador, muito menos Deus. Não morreu em uma cruz, sendo que Judas morreu em seu lugar.

· O islamismo não prega arrependimento ou reconciliação crê que tal salvação só pode ser adquirida através das obras.

· Não crê na Bíblia, embora respeitada não é digna de total confiança, pois foi corrompida com o passar do tempo, apenas a consideram quando esta coincidi com o alcorão que para eles é em muito superior.

· O céu ou paraíso do Islamismo é bem diferente do céu mencionado na Bíblia cristã. No paraíso islâmico existem prazeres puramente sexuais com varias virgens para um só homem que ao manterem relações sexuais voltam a serem virgens novamente. Curiosamente só existem promessas deste tipo para os homens

· Quanto ao Espírito Santo chegam a compara=lo a Maomé. Absurdo!

Outros pontos importantes a mencionar é que o Alcorão incita a violência e o ódio contra os não muçulmanos, cristãos e judeus - "... Matai os idolatras onde quer que os encontreis..." (Sura 9:5). Pregam a Jihad Santa (guerra santa) contra os infiéis do mundo. E afirmam que matando um infiel, que é uma ordem para todos os muçulmanos, eles são assegurados de um lugar no paraíso.

Embora a Bíblia afirme que devemos defender nossa fé a ponto de não aceitar ensinos de outras religiões, não nos ensina a fazer isso com violência.

No Evangelho de Jesus muito claramente se ensina que os Cristãos não devem lutar por sua religião. Os Apóstolos de Jesus ensinaram o mesmo:

 

Se alguém te ferir a face direita, oferece-lhe também a outra... amai vossos inimigos (Mateus 5:39, 44)

Embainha tua espada, porque todos aqueles que usarem da espada, pela espada morrerão.(Mateus 26:52)

Pois não é contra homens de carne e sangue que temos de lutar, mas contra os principados e potestades, contra os príncipes deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal (espalhadas) nos ares. (Efésios 6:12)

 

No Islamismo encontramos atitudes terroristas de vários grupos radicais islâmicos que imprimem a violência como forma de conversão e são capazes dos atos mais bárbaros apoiados em suas convicções de fé. Basta a qualquer momento darmos um giro nos noticiários das mais corriqueiras fontes de informação no mundo e encontramos facilmente a palavra Islamismo associada com terrorismo, morte, homem-bomba crianças-bomba e coisas do gênero. Vejamos á seguir algumas noticias e suas referidas fontes:

 

Quem não orar será decapitado!

Todos os habitantes de uma cidade do Sul da Somália que não fizerem as suas cinco orações diárias, como manda o Islã, serão decapitados, disse à Associated Press o sheik Hussein Barre Rage, porta-voz dos Tribunais Islâmico naquela região. Todas as lojas e casas de chá têm que fechar à hora das orações e ninguém será autorizado a circular na via pública.

FONTE:http://maquinazero.wordpress.com/2006/12/09/noticias-frescas-da-religiao-da-paz-quem-nao-rezar-cinco-vezes-por-dia-e-decapitado/

 

 

 

 

 

 

 

Cerca de 700 pessoas morreram no norte do país africano

 

 

 A polícia da Nigéria está investigando como uma seita islâmica local conseguiu deflagrar, na semana passada, uma onda de violência durante a qual mais de 700 pessoas morreram no norte do país africano, disse nesta segunda-feira um porta-voz da corporação.

FONTE: http://www.bemparana.com.br/index.php?n=116523&t=seita-islamica-provoca-matanca-na-nigeria

 

 

 

 

Decapitando jovens cristãs

Na Indonésia, os muçulmanos de Sulawesi encontraram uma nova forma de festejar o fim do Ramadão, decapitando jovens cristãs. Perante o silêncio e a indiferença geral.

FONTE: http://maquinazero.wordpress.com/2006/11/10/festejando-o-fim-do-ramadao-na-indonesia/

Mulheres-bomba matam ao menos 64 no Iraque

Ao menos 64 pessoas morreram e 107 ficaram feridas nesta sexta-feira devido a duas explosões de mulheres suicidas em mercados de animais de Bagdá. Foi o pior atentado na capital do Iraque desde 18 de abril de 2007, quando um carro-bomba explodiu matando 116 pessoas. Na primeira ação, uma mulher se explodiu no mercado de animais de Ghazil, no centro de Bagdá, provocando a morte de ao menos 46 pessoas e deixando 82 feridas, de acordo com a polícia. Os explosivos estariam sob o tradicional roupão islâmico preto. Segundo uma testemunha, a mulher entrou no mercado dizendo que tinha pássaros para vender. As pessoas teriam se aproximado e ela apresentou a bomba sob sua roupa. Depois de 20 minutos da primeira explosão, uma segunda mulher se explodiu em um mercado de pássaros na região sudeste de Bagdá. Ao menos 18 pessoas morreram e 25 ficaram feridas, de acordo com a polícia.

FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u368974.shtml

Como poderia um cristão apoiar uma religião que inspira seus seguidores a tomarem atitudes estremas e cruéis chegando ao ponto de treinarem crianças para explodirem contra seus inimigos?

Embora não conheçamos no mais profundo o Islamismo, sabemos o suficiente para entender que estas não são praticas cristãs. Não são ensinamentos apoiados por Cristo. Não é possível aceitar que crianças sejam treinadas para matar, mães sejam forçadas a explodir por sua fé e vidas sejam ceifadas em nome de uma doutrina.

Não posso afirmar que todo este terrorismo praticado por grupos extremistas sejam em total apoiados pelos lideres Islâmicos, mas o fato é que eles ocorrem com freqüência, na maioria das vezes causados e embasados em diferenças religiosas. Claro que existem outros pivôs nesta guerra de terror mas a religião e os ensinamentos só parecem encorajar tais atos.

 

Podemos então concluir que o Islamismo é um outro seguimento que reverencia outro deus uma outra fé que em muito difere do que nos foi exposto na Bíblia. O que a Bíblia nos ensina em relação a tais cultos?

“Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.” (Galatas. 1:8)

 

 

Dados estes esclarecimentos não é correta a posição Católica e de outras igrejas ao promoverem este estranho relacionamento ecumênico. Não é correto reverenciar um livro que nos expõe outras doutrinas.diferentes das que recebemos.

 

O perigo de tal atitude é que as outras religiões são colocadas e reconhecidas como sendo um caminho valido não somente para a paz mas para o céu. Contrastando com a visão bíblica onde somente Cristo pode salvar.

 

Porem não é somente com o Islamismo que o Catolicismo tem firmado alianças e acordos. Vemos hoje as mesmas atitudes de prostituição com os ídolos pagãos se repetirem em qualquer direção, voltadas a qualquer crença ou fé. Basta ser lucrativo para a cúria romana para que os "laços fraternos" do ecumenismo abracem tal crença.

 

O papa João Paulo II permitiu que uma sacerdotisa hindu fizesse a tradicional marca de Shiva (ou Xiva) em sua fronte. Logicamente, esse evento chama a atenção de qualquer pessoa que creia nas profecias bíblicas. No livro do Apocalipse, o Falso Profeta, o líder da nova religião global do Anticristo, faz os habitantes do mundo aceitar uma marca, ou na fronte, ou na mão direita. Portanto, é um fato importante quando uma sacerdotisa pagã faz uma marca na fronte do Papa!

 

O papa João Paulo II desafiou as solenes palavras de Jesus Cristo quando deu credibilidade e validade à religião pagã de Shiva. O papa está negando, por suas ações, que o cristianismo é a única religião válida na Terra. Mas ele está fazendo muito mais: está desafiando o mandamento de Deus em Jeremias 10:2: "Assim diz o SENHOR, não aprendais o caminho dos gentios.".

 

"De acordo com o livro Gods of the New Age (Deuses da Nova Era), de Caryl Matrisciana, o adoradores de Shiva são 'reconhecidos pelas três linhas horizontais pintadas em suas frontes. Esses discípulos do deus Shiva consideram a loucura — um dos atributos de Shiva — um dos níveis mais altos de espiritualidade! Muitos hindus acreditam que a insanidade é uma forma de consciência do deus'."

 

A religião de Shiva é totalmente satânica e adora seu deus por meio do sexo tântrico.

 

Por meio desse ato de aceitar a marca na sua fronte, o papa sinalizou sua aceitação de Shiva como uma religião tão válida quanto o cristianismo.

 

 

Em inúmeras outras situações encontramos os papas ou lideres católicos reverenciando cerimônias e rituais reprovados pelas Escrituras Sagradas.

 

Nas fotos a seguir vemos o papa recebendo pasces e encantamentos de lideres indígenas. é necessário lembrar aqui que tais indígenas adoram outros deuses completamente diferentes do Deus vivo mostrado na Bíblia o qual exige reverencia e adoração somente para si. Neste caso se o papa é realmente um seguidor de Cristo e da Bíblia porque comente esta tamanha blasfêmia?

Não terás outros deuses diante de mim” ( Êxodo 20:3)"

"E, em tudo que vos tenho dito, guardai-vos; e do nome de outros deuses nem vos lembreis, nem se ouça da vossa boca." (Êxodo 23:13)

 

Em outra ocasião em união com uma Sinagoga, uma mulher nua faz leitura e JP II bebe líquido oferecido a ídolos.

Ainda que para alguns o ecumenismo proposto pela Igreja Católica pareça ser algo bom e louvável, todavia segundo o Evangelho de Cristo e a Bíblia este movimento contribui de forma objetiva com a degradação e mistura do evangelho genuíno com os ritos pagãos de outras seitas.

A Igreja Católica apenas está fazendo o que sabe fazer de melhor, misturar o Evangelho bíblico a tal ponto que não se consiga mais diferenciar o que é cristianismo de paganismo.

Esta não é e nunca será a visão de Deus. Somente nas Escrituras encontramos as respostas corretas e não em conselhos e dogmas católicos. Nos deixemos guiar pela verdadeira Palavra de Deus.

 

Tiago 3:11, 12 Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso?

Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos? Tampouco fonte de água salgada pode dar água doce.

"Não seguireis outros deuses, os deuses dos povos que houver à roda de vós;"(Deuteronômio 6:14)

1 Coríntios 10:21 Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.

 

Catolicismo Romano a adoração e obsessão pelos mortos.

 

 

“O emprego de templos, e estes dedicados a certos santos, e enfeitados em ocasiões com ramos de árvores; incenso, lâmpadas e velas; ofertas votivas ao restabelecer-se de doenças; água benta; asilos; dias santos e estações, uso de calendários, procissões, bênçãos dos campos, vestimentas sacerdotais, a tonsura, a aliança nos casamentos, o virar-se para o Oriente, imagens numa data ulterior, talvez o cantochão e o Kyrie Eleison [o canto “Senhor, Tende Piedade”], são todos de origem pagã e santificados pela sua adoção na Igreja.”

(Cardeal católico romano John Henry Newman, do século 19, escreveu no seu Essay on the Development of Christian Doctrine (Ensaio sobre o Desenvolvimento da Doutrina Cristã)

O que lemos a cima é a declaração do Cardeal católico romano John Henry Newman admitindo que basicamente toda a tradição e cerimonial Católico executado dentro de toda e qualquer igreja Católica em qualquer parte do mundo é de origem pagã.

Esta declaração não é de origem protestante ou referida por pastor ou pessoa que não faça parte da fé católica e sim como sabemos foi escrita por um líder católico do século 19.

Nos artigos anteriores mencionamos o envolvimento e contaminação do Catolicismo com seitas e religiões pagãs durante toda a sua historia. Neste artigo iremos mais fundo nestes cerimoniais e o caro leitor já pode perceber de inicio que o que estamos a mostrar não se trata de especulações ou retaliações. Mas tão somente a tentativa sincera de mostrar a verdade obvia para aqueles que por ventura estejam enganados e iludidos pelo engano chamado CATOLICISMO ROMANO.

Quando olhamos para as cerimônias ensinadas pelo Catolicismo e buscamos na Bíblia algo semelhante vemos que um ensinamento é totalmente oposto ao outro. Na verdade basicamente nada que encontramos na Bíblia pode ser encontrado no Catolicismo e vice-versa.

Não bastasse a idolatria. "Mariolatria" e outras aberrações cometidas pelo Catolicismo esta seita também é culpada de introduzir no Cristianismo outrora puro e correto, costumes e cerimônias pagãs que chegam a enojar qualquer pessoa com o mínimo de consciência das verdades divinas.

Não falaremos aqui de idolatria teremos um capitulo especial sobre este tema. Mostraremos porem coisas bem piores as quais o diabo tem cegado o entendimento de muitos católicos para não verem as tremendas abominações que estão cometendo.

 

 

Adorando os mortos

No Catolicismo encontramos cerimônias, ritos e costumes que chegam a ser tão macabros como os rituais praticados em religiões tribais africanas e satanistas.

Dentre estes costumes um ao qual eu gostaria de mencionar inicialmente é a adoração de relíquias. Pedaços de ossos de mortos, cabeças, braços, roupas e até cadáveres inteiros são venerados e por que não dizermos adorados por multidões convictas de que se beijarem ou pagarem para tocar nestes restos mortais alcançarão graça divina

A veneração de corpos mortos de mártires foi ordenada pelo Concílio de Trento. Este Concílio também condenou aqueles que não acreditavam nas relíquias:

“Os santos corpos dos santos mártires… devem ser venerados pelos fiéis, pois através desses corpos muitos benefícios são derramados por Deus sobre os homens, de modo que, aqueles que afirmam que veneração e honra não são devidas às relíquias dos santos… devem ser completamente condenados, como a Igreja há muito os tem condenado e ainda os condena”.

Restos mortais de São José de Cupertino, venerados na sua Basílica - Santuário, em Ósimo, Itália

Ou seja na Igreja Catolica o fiel é obrigado a reverenciar e venerar um pedaço de osso para não ser totalmente condenado pela Igreja.

O que vemos é um festival de insanidade e de honrarias a corpos em putrefação ou mumificados a centenas de anos, conservados e levados em procissão pelas ruas em dias propícios ou mesmo expostos a visitação de fieis

Exibição dos restos mortais do Padre Pio em San Giovanni Rotondo, sul da Itália cerca de 15 mil pessoas peregrinaram até lá para tocar e ver o corpo. As cenas ocorridas durante este suposto ato de fé refletem uma profunda falta de consciência bíblica sobre o que realmente seria adoração e a quem ela deve ser oferecida! Lamentável!

Á cima vemos as relíquias de São Vicente de Paulo e de Santa Luiza Marilac. Gotas de sangue e fragmentos de ossos dos santos católicos.Fragmento de um osso de padre e coroinha aqui no Brasil em Rio Grande do Sul. E visita das relíquias de Teresa de Lisieux ao Reino Unido.

Em ambas as situações encontramos centenas e as vezes milhares de católicos se acotovelando para tocarem em restos de corpos mortos para serem abençoados. Onde Jesus ou mesmo algum profeta ensinou isto nas Escrituras?

São milhares de cadáveres e pedaços de ossos espalhados por todo o mundo expostos em igrejas e monastérios para onde afluem multidões de peregrinos totalmente enganados por esta estranha cerimônia de adoração a restos mortais de homens que supostamente teriam sido santos.

Pergunto ao caro leitor. Se estes homens e mulheres realmente foram santos e serviram ao SENHOR DEUS único digno de adoração e louvor, eles apoiariam estas estranhas praticas feitas hoje em dia com seus corpos mortos?

 

Como isto começou?

O Catolicismo Romano parece querer em tudo contrariar os ensinamentos bíblicos em relação à fé. Parece necessitar ardentemente de provas visíveis e tocáveis no que se refere à salvação.

Precisam de imagens! Precisam de água benta! Precisam de crucifixos! De velas, e outras toneladas de artefatos e utensílios que em nada representam a fé bíblica. Pois o Senhor mesmo afirmou a Tomé “Mas bem aventurados os que não viram, mas creram.”

Porem a cima de tudo o que mais acumula em suas igrejas e templos são as assim chamadas “relíquias.” Principalmente as relíquias de mortos.

A obsessão do Catolicismo por relíquias vem desde sua origem pagã. Na realidade não se sabe ao certo quando isso começou, mas acredita-se que a influencia de cultos pagãos e a cultura de povos que foram introduzidos a força na Igreja Católica também geraram em seu interior este mal lamentável.

A The Catholic Encyclopedia afirma que o uso e “veneração” de relíquias de pedaços de ossos cadáveres de santos e até utensílios ou roupas é uma tradição primitiva que vem de outros cultos religiosos desde o inicio dos tempos.

Na realidade este nunca foi um costume cristão. Não encontramos na Bíblia esta doutrina. Nem mesmo vemos Cristo ou os apóstolos ensinando estas praticas tão grotescas.

De fato Deus condenava o simples contacto com qualquer corpo morto, quanto mais a veneração. (veja Levitico 21:11)

De onde vieram então estas praticas do Catolicismo Romano?

O mais provável é que tenham vindo dos egípcios e outros povos inseridos por Constantino e outros lideres quando abriram as portas para todo e qualquer paganismo.

O Egito tinha o costume de cultuar cadáveres de seus deuses e em muitas localidades eram encontrados altares com braços ou crânios e outras partes de corpos mortos igualmente venerados como no Catolicismo.

Nas antigas religiões Babilônicas muitas das quais permanecem ativas até hoje e originam o satanismo moderno este costume de usar ossos em cerimônias é encontrado em abastança.

Em suas lendas antigas quando Nimrode o falso “salvador” da Babilônia morreu, seu corpo foi dividido em fragmentos, junta por junta. Estes restos mortais foram enterrados em vários lugares e cada lugar era então consagrado por causa dos ossos que recebera.

Isto está em contraste com a morte do verdadeiro Salvador, Jesus Cristo, de quem foi profetizado, “Nenhum dos seus ossos será quebrado” (Jo 19.36) e que ressuscitou no verdadeiro sentido da palavra. A ressurreição de Cristo resultou em um túmulo vazio, nenhuma parte do seu corpo tendo sido deixada para trás para servir de relíquia.

Este ato de consagrar um templo ou local usando para isto um osso ou relíquia é pagão. Porem é abraçado e incentivado pelo Catolicismo. Os bispos foram proibidos pelo segundo Concílio de Nicéia em 787 de dedicar um edifício se não houvesse qualquer relíquia presente; a penalidade para fazer isso era a excomunhão.

Quase todas as catedrais Romanistas têm em seus alicerces ossos e relíquias ou mesmo altares consagrados com tais abominações. Na própria Catedral de Wittenberg, onde Martinho Lutero afixou suas “Noventa e cinco Teses”, tinha 19.000 santas relíquias.

Este costume deu origem a uma verdadeira enxurrada de mentiras e as mais cruéis e desenfreadas atitudes por parte de padres e pessoas comuns que tiraram proveito destes rituais para obterem dinheiro fácil.

Desde que se acreditava que “muitos benefícios” advinham dos ossos de homens mortos, a venda de corpos e ossos tornou-se um grande negócio.

Em meados do ano de 750, imensas filas de carroções quase que constantemente vinham para Roma, trazendo grandes quantidades de crânios, braços pernas, e esqueletos completos que eram em seguida catalogados, etiquetados e por fim vendidos por bispos e papas.

Muitas sepulturas nestas épocas eram violadas durante a noite. Era comum verem-se guardas armados vigiando sepulturas em igrejas.

Ainda hoje na Igreja de São Praxedes existe uma placa de mármore na qual esta escrito que em 817, o papa Pascoal transferiu os corpos de 2.300 mártires de cemitérios para esta igreja.

Em outro período quando o papa Bonifácilo IV transformou o Panteon em uma igreja católica romana por volta do ano 609 cerca de vinte e oito enormes carroções carregados de ossos e esqueletos sagrados retirados de catacumbas foram depositados em uma bacia de pórfiro abaixo do altar-mor.

Por estes tempos afirmou Gregorovius:

“Roma era como um cemitério mal-cheiroso, no qual hienas uivavam e brigavam, enquanto cavavam avidamente à procura de cadáveres”.

Existem ainda hoje igrejas e catedrais construídas especialmente para abrigar ossos e cadáveres considerados relíquias. Estes locais são abertos periodicamente para visitação do publico conforme é o caso da capela dos Capuchinhos na rua Veneto em Roma.

esqueletos humanos expostos

Outras construções também mantêm esta tradição de serem usados ossos como matéria prima de suas paredes e adornos. Estas construções chamadas de arte pelo Romanismo são encontradas em Portugal, Roma e outros locais.

Será que Jesus ou seus apóstolos pregariam em igrejas como estas?

Sedlec Ossuary- uma pequena igreja católica, construída nos fins do século XIV, no estilo gótico francês. Situada abaixo da igreja do cemitério de Todos os Santos em Sedlec no subúrbio de kutna¡ Hora na Republica Checa, as igrejas estão uma sobre a outra, a de cima dedicada a todos os Santos e a de baixo a Paixão de Cristo. O Ossuary conta com aproximadamente 40 mil a 70 mil esqueletos humanos, que foram arranjados para dar forma a decoração e a mobília da capela.

A Capela dos Ossos é um dos mais conhecidos monumentos de Évora, em Portugal. Está situada na Igreja de São Francisco. Foi construída no século XVII e tem toda a sua decoração também feita com ossos, ornamentadas com filas de caveiras, cornijas e naves brancas. Foi calculado à volta de 5000, provenientes dos cemitérios, situados em igrejas e conventos da cidade. A capela era dedicada ao Senhor dos Passos, imagem conhecida na cidade como Senhor Jesus da Casa dos Ossos

 

 

O dia dos finados. Uma aberração retirada do paganismo

Não bastasse a enorme idolatria contida em todo o contexto do Catolicismo Romano, esta seita também incorporou um ritual pagão encontrado em varias religiões e cultos demoníacos espalhados ao redor do mundo “O dia dos mortos ou como é chamado “O dia dos finados.”

Como sempre este dia foi incorporado ao calendário do Catolicismo Romano para atrair os pagãos e prostituir o Cristianismo com costumes e cerimônias oferecidas a outros deuses, os quais a própria Bíblia chama de demônios.

Alem disso, um cristão autentico nunca honraria uma pessoa morta da forma como esta seita romana incentiva que seja feito.

Cristãos autênticos crêem em uma vida com Cristo após sua morte, pois na realidade sabem que os que partiram serão recebidos nas mansões celestiais. Ou seja, sabem que seus amigos parentes e irmãos estão vivos em outro lugar. Sabem também que qualquer coisa que façam não influencia em nada a vida eterna daqueles que dormiram em Cristo, pois os mortos não podem nos ver, nem comunicar-se conosco conforme nos ensinam as Sagradas Escrituras.

“Quem crer em mim, ainda que morra, viverá” (João 11:25)

Um cristão autentico entende pelos ensinamentos bíblicos que não adianta acender velas, ou depositar flores em túmulos e também rezar em favor das almas de seus parentes e amigos. Estes ensinamentos católicos são uma grande blasfêmia contra o plano divino de salvação e estas praticas não agradam ao Senhor Deus e também não condizem com seus mandamentos.

Pela Bíblia nos inteiramos de que os mortos não se comunicam com os vivos ( Is 8.19).Que não tem a pessoa falecida consciência do que ocorre com os vivos no lugar onde está e que os cristãos ficam com Cristo no céu (2 Co 5.6-8; Fp 1.21-23); os descrentes ficam no Hades até o dia do Juízo Final, quando de lá sairão para o Lago de fogo ou Geena (Lc 16.22-25; Ap 20.11-15). Nada sabem do que ocorre na terra (Hb 9.27). Devemos ter respeito pelos nossos parentes enquanto vivos, mas não há possibilidade de que eles nos ajudem ou prejudiquem depois da morte.

Ao incentivar a observação deste dia pelos fieis católicos, o Catolicismo esta introduzindo este povo nos ensinamentos profanos das religiões espíritas.

Mais uma vez as mentiras e pactos satânicos do Catolicismo Romano estão levando multidões a distanciar-se de um verdadeiro encontro com Deus.

“Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaque, e o Deus de Jacó? Ora, ele não é Deus de mortos, mas de vivos.” (Mateus 22:32)

 

O que está por trás do dia dos finados?

Como mencionamos anteriormente o “dia dos finados” como é popularmente chamado é um dia introduzido do paganismo. Este dia é observado por inúmeras seitas e cultos pagãos.

No entanto o mais relevante sobre esta cerimônia é o fato de ter se originado principalmente do paganismo do povo Celta.

O dia de finados, o dia de todos os santos e a popular festa do Halloween estão extremamente ligados e ambos remontam as épocas do paganismo celta

No dia 31 de outubro é comemorado o Halloween. Logo em seguida o Dia de Todos os Santos e o Dia de Finados caem respectivamente em 1º e 2 de novembro.

Esta tradição teve inicio através da mesma estratégia desonesta do Catolicismo agindo como uma esponja absorvendo cultos e seitas sem se preocupar com verdadeira conversão, movidos por ganância e promovendo esta terrível prostituição cultual que é o que parece saber fazer melhor.

Durante a evangelização e conversão forçada dos povos celtas nos séculos IV-VIII da era cristã, foi percebido pelo Catolicismo que as festas pagãs eram muito importantes para estes povos e que de maneira alguma deixariam de praticá-las para abraçar a nova fé que lhes era imposta.

Usou-se então a estratégia de manter a mesma festa com o pretexto de ser uma festa cristã. Sendo assim os povos celtas não precisariam deixar de praticar o seu paganismo ritual, apenas o trariam para dentro do suposto cristianismo.

Em 737, o Papa Gregório III escolheu a data de 1º de novembro para celebrar a festa da consagração de uma capela na basílica de São Pedro (Roma) em honra de Todos os Santos. Em 834, o Papa Gregório IV estendeu a festa a toda Igreja Católica. Em 998, Odilon, abade do mosteiro de Cluny, na França, começou a celebrar no dia 2 de novembro a reza em favor do descanso das almas no Purgatório, o que também mais tarde foi estendido aos demais cristãos por outros Papas, iniciando-se assim o que conhecemos como Dia de Finados. Desta maneira procurava-se “cristianizar” a celebração da vinda dos espíritos dos mortos praticada pelos druidas.

Qual seria então o real perigo destas comemorações?

Ora. Por ser um dia pagão traz em seu âmago uma mensagem terrível. Segundo os antigos Druidas sacerdotes e lideres espiritualistas dos povos celtas, nestas datas acreditava-se que os espíritos dos mortos podiam se manifestar aos vivos, pedindo oferendas causando vários tipos de distúrbios no mundo material. Também era o tempo propício para serem feitos contatos e pactos com duendes gnomos, bruxas demônios e deuses, pois segundo acreditavam, existia uma atmosfera propicia para isto.

Durante os festejos havia um espírito de pavor, uma atmosfera de medo, pois coisas estranhas podiam ocorrer. Crianças desapareciam e não mais eram vistas, colheitas podiam ser destruídas e muitos males poderiam ocorrer se não oferecessem sacrifícios aos mortos e aos muitos demônios do mundo espiritual.

Animais eram sacrificados, comidas eram oferecidas e grandes fogueiras eram acesas onde criminosos e prisioneiros eram queimados vivos em oferenda aos espíritos.

Por causa disto este período era chamado de Samhain uma palavra de origem celta para designar "O Senhor da Morte". Os celtas dedicavam o último dia de outubro para celebrar a "Festa dos Mortos".

Esta data é uma data extremamente importante para o satanismo e bruxaria modernos, pois simboliza o relacionamento da "Grande Deusa" representada pela Lua com seu filho, o "Deus Chifrudo" representado pelo Sol, ela é celebrada intensamente hoje em dia por estas seitas

Na crendice popular segundo crêem muitos católicos, no Dia de finados não se pode pescar, caçar, pois é o dia das almas dos mortos saírem para vagarem pela terra e realizarem aquilo que praticavam quando ainda vivas.

Durante esta data 2 de novembro centenas de milhares de católicos vão aos cemitérios cumprir os antigos rituais pagãos oferecendo sacrifícios de flores, comidas e lavando túmulos, chorando e rezando, mandando celebrar missas e outros ritos, para livrar a alma de seus entes queridos de uma mentira chamada purgatório.

Conseqüentemente nas religiões afro-brasileiras 2 de novembro é um dia especial para se cultuar e cumprir obrigações para com os eguns (espíritos dos mortos), Omolu, o senhor dos cemitérios, e com Exu Omolu, chefe da linha de cemitérios na Quimbanda.

Vemos então que este dia “2 de novembro”, juntamente com o dia “31 de outubro” quando é comemorado o Halloween e “1 de novembro a Festa de todos os santos” na verdade são uma cerimônia só, homenageando demônios e espíritos que ha muitos anos escravizam povos e civilizações, os quais são inimigos do verdadeiro Deus o Deus da Bíblia e que a muito tempo encontraram lugar no coração corrupto do Catolicismo Romano.

 

O Catolicismo Romano pratica espiritismo

Uma pratica extremamente abominável aos olhos de Deus e claramente condenada na sua Palavra é a comunicação com os mortos. A Bíblia deixa bem claro que uma pessoa que morre não pode comunicar-se com vivos. Alem disso é mandamento bíblico que não se invoque espíritos de mortos e a pratica de tal coisa é um grande pecado e abominação

"Não se achará entre ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; nem encantador, nem necromante, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR, teu Deus, os lança de diante de ti. Perfeito serás para com o SENHOR, teu Deus"(Deuteronômio 18.10-13).

"Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos, que chilreiam e murmuram, acaso, não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos? À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a alva" (Isaías 8.19-20)

Na Palavra de Deus encontramos constantes advertências sobre este tipo de pecado e quem o pratica é chamado de MALDITO e será lançado de diante da face de Deus.

Porque então a Igreja Católica Romana pratica o ESPIRITISMO e comunicação com os mortos abertamente, mantendo até uma IGREJA para tal fim?

Não sei que desculpas o Catolicismo usará para justificar este tipo de blasfêmia, porem para tal coisa não existem justificativas. Quem não enxergar que esta religião é uma verdadeira doutrina de Satanás deve estar cego!

Existe uma Igreja em Roma chamada de O MUSEU DAS ALMAS DO PURGATÓRIO que foi criado no começo do século passado pelo padre Victory Juet, Ela é chamada de o primeiro Museu Cristão de Além Túmulo, com autorização do papa.

Esta Igreja contem uma coletânea de peças e testemunhos onde mortos tem se comunicado com vivos. Em sua maioria padres e freiras da Igreja Católica Romana. Ou seja, são espíritos de padres e freiras mortos comunicando-se com vivos.

A tal Igreja realiza um trabalho autorizado pelo Vaticano e pelo próprio papa onde os seus padres viajam por vários países recolhendo testemunhos e provas sobre a comunicação dos mortos com os vivos.

Impressões de mãos feitas por espíritos de mortos em roupas de freiras, padres e também em livro, partes do acervo do Museu das Almas do Purgatório

No começo do século passado a Igreja museu foi aberta para o publico em 1917, porem por gerar muito escândalo e por ter causado muitos comentários contra o Catolicismo, entre eles o fato de ser chamada até de SATANISMO, a igreja foi fechada e mantida funcional apenas para clérigos.

 

Esse museu é bem visto por parte de bispos e até mesmo por parte das principais autoridades eclesiásticas, que admitem a comunicação de espíritos de mortos com vivos.

O próprio Papa João Paulo II no dia de finados em 1983 em um de seus pronunciamentos públicos em Roma, na Praça de São Pedro proferiu a seguinte frase:

“O diálogo com os mortos não deve ser interrompido porque, na realidade, a vida não está limitada pelos horizontes do mundo” (Papa João Paulo II)

Atualmente são muitos padres envolvidos com transcomunicação: O padre suíço Léo Schmid publicou o livro Quando os Mortos Falam, resumindo cerca de 12 mil comunicações de espíritos por vozes paranormais, registradas em gravador por fita cassete. Também o padre Karl Pfleger foi liberado de suas obrigações tradicionais da Igreja para pesquisar o assunto e resultou em opiniões claras e definidas de que a comunicação era uma realidade. Na França, o padre François Brune escreveu o livro Os Mortos nos Falam, traduzido em 11 idiomas e vendido em livrarias católicas. Em parceria com um pesquisador da Universidade de Sourbone, escreveu o livro Linha Direta com o Além. Na Bélgica, Jean Martan escreveu o livro Milhares de Sinais, que resume evidências de comunicação e faz conferências legitimando estas possibilidades. E por aí vai.

Em entrevista ao Fantastico o padre Gino Concetti respondendo a algumas perguntas proferiu a seguinte afirmação:

Segundo o catecismo moderno, Deus permite aos nossos caros defuntos, que vivem na dimensão ultraterrestre, enviar mensagens para nos guiar em certos momentos de nossa vida. Após as novas descobertas no domínio da psicologia sobre o paranormal, a Igreja decidiu não mais proibir as experiências do diálogo com os trespassados, na condição de que elas sejam levadas com uma finalidade séria, religiosa, científica.

O que encontramos nesta nova abordagem espírita do Catolicismo e uma grave deturpação das doutrinas da Bíblia.

Estão criando doutrinas que contrariam completamente a Bíblia. Apresentando um evangelho totalmente diferente do evangelho pregado por Jesus.

Na parábola “Do rico e Lazaro,” um trecho que expõem visivelmente uma doutrina bíblica, pois em nenhuma outra parábola Jesus usou nomes próprios para os personagens e também utilizou o verbo “Havia” dando a entender que tal coisa realmente ocorreu, do contrario Cristo teria mentido e isto seria improvável.

Esta porção das Escrituras nos mostra que a comunicação dos mortos com vivos não é permitida.

"Ele replicou: Pai, eu te rogo, então, que os mandes à casa de meu pai (pois tenho cinco irmãos) para os avisar a fim de não suceder virem eles também para este lugar de tormento! Mas Abraão disse: Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. Respondeu ele: Não, Pai Abraão, mas se alguém for ter com eles dentre os mortos, hão de se arrepender. Replicou-lhe Abraão: se não ouvem a Moisés e aos profetas tampouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos. "

(Lucas, Cap. XVI, v. 19-31.)

Logo, mais uma vez o Catolicismo está misturando o Evangelho com concepções humanas e doutrinas de demônios. Quanto a isto já somos advertidos pela Bíblia a verdadeira e única Palavra de Deus que devemos rejeitar um falso e deturpado evangelho vendo-o como maldito.

 

Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.

Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema.Gálatas 1:8,9

 

Todo aquele que vai além do ensino de Cristo e não permanece nele, não tem a Deus; quem permanece neste ensino, esse tem tanto ao Pai como ao Filho.

 

Se alguém vem ter convosco, e não traz este ensino, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis.

Porque quem o saúda participa de suas más obras.2João 9-11

 

Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;

 

Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;

1Timóteo 4:1,2

 

Conclusão deste artigo:

A Bíblia e seus ensinamentos são a vontade de Deus para o Homem. Suas doutrinas estão completas e nela temos tudo que precisamos saber devidamente exposto. Não precisamos invocar mortos. Não precisamos adorar pedaços de “ossos santos”, pois o Pai procura adoradores que o adorem em Espírito e em verdade.

"Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem", (João 4: 23)

O conceito de adoração do Catolicismo exclui completamente os ensinamentos bíblicos. Simplesmente não contem absolutamente nada que remeta ás Escrituras Sagradas. É uma deturpação absurda da verdade. Esta suposta adoração se constitui de rituais pagãos e mentiras inventadas para persuadir e escravizar pessoas para aumentar cada vez a riqueza e o poder de um organismo anticristão. Mudaram todo o Evangelho de Deus em mentira!

 

Porque eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro que, se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus fará vir sobre ele as pragas que estão escritas neste livro;

 

 

E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro.

 

Autor: Pastor Samuel Yakov

LINK ORIGINAL DO ESTUDO: http://leonardobilonia.blogspot.com/2011/08/catolicismo-paganismo.html

—————

Voltar